Conecte-se Conosco

Brasil

Salim Mattar saiu do governo Bolsonaro sem privatizações e com mais estatais

Salim Mattar deixou o governo na última terça-feira (13), com 19 meses de governo, muito longe na meta trilionaria em privatizações.

Published

em

Em artigo na quarta-feira (12) última, a BBC News explicou porque Salim Mattar — Secretario de privatizações —  saiu do Governo Bolsonaro sem ter vendido nenhuma estatal do Governo de Jair Bolsonaro.

O artigo relembra que as privatizações alardeadas por Paulo Guedes sempre foram uma das grandes propostas na pré-campanha de Bolsonaro. Em agosto de 2018, Guedes disse: “Calculamos que temos cerca de R$ 1 trilhão em ativos (da União) a ser privatizados, incluindo as ações do Tesouro na Petrobras”.

Em março de 2019 Guedes disse: “O Salim está todo animado porque ontem ele fez contas e já deu R$ 1,250 trilhão, só de participação nas estatais”, 250 milhões a mais do que o primeiro número.

Salim Mattar deixou o governo na última terça-feira (13), com 19 meses de governo, muito longe na meta trilionaria em privatizações. E a motivação vem justamente pela dificuldade de se privatizar no Brasil, devido a resistência de grupos dentro do Congresso Nacional.

Em setembro de 2019, Salim Mattar viu o Governo Federal criando mais uma estatal, a NAV Brasil Serviços de Navegação Aérea, que será  responsável pelo controle do espaço aéreo do Brasil. Mattar foi contra a criação da empresa estatal. A última estatal criada antes foi a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF), no Governo Dilma.

Salim disse ao Brazil Journal: “”Muitas estatais como Eletrobras, Hemobrás, Correios e EBC necessitam de aprovação do Congresso num governo que não possui uma base de sustentação.

A BBC lembrou que o governo abandou a ideia de criar um  marco legal para agilizar processos de privatização, que visava agilizar o processo de privatizações no Brasil.

“O arcabouço legal do processo de desestatização é complexo e moroso. São quinze agentes envolvidos, do Presidente ao ministro setorial, do TCU ao BNDES. Tudo torna o processo burocrático, lento e, por mais que alguns se esforcem, não conseguem acelerar as coisas” disse Mattar ao Brazil Journal.

Deixei o governo porque, em minha análise de esforço despendido versus resultados obtidos, a conta foi negativa. Concluí que dedicando meu tempo aos institutos liberais Brasil afora, posso continuar contribuindo para a construção de um país melhor, com menos Estado, menos oneroso para o cidadão e menor interferência na vida privada” escreveu Salim Mattar em artigo.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta Cancelar resposta