Conecte-se Conosco

Política

Áudio atribuído a Ludhmila chama Bolsonaro de “psicopata”

Enquanto o clima de domingo era dominado pela suposta preferência da doutora, apoiadores do presidente se apressavam em fazer chegar a ele o tal áudio no qual ele é ofendido. A doutora nega ser autora da fala

Published

em

Foto: reprodução/Jornal de Brasília

Um áudio atribuído à cardiologista Ludhmila Hajjar cita o presidente Jair Bolsonaro de “psicopata”. Dessa forma, a vaga do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, continua sem nome cotado para ser ocupada.

A preferência pela cardiologista pode ter caído por terra, ontem mesmo (14), após ela ter conversado com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

Ao longo do dia, de acordo com reportagem do O Globo, chegaram a Bolsonaro informações que circulam nas redes sociais sobre declarações da médica nos últimos anos.

Há um áudio atribuído a Hajjar em que o presidente é chamado de “psicopata”. 

A cardiologista nega, de acordo com reação dela à Folha (para assinantes), reproduzida pelo portal Gazeta do Povo.

No áudio, recebido por Bolsonaro após se encontrar com a cardiologista no Palácio da Alvorada, a interlocutora defende a eleição do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), para presidente, chamando-o de “corajoso”.

No início da pandemia do coronavírus (covid-19), conforme a publicação, Caiado determinou medidas de restrição de circulação e confrontou Bolsonaro por declarações em que o presidente minimizava o impacto do vírus. 

“Nem sei o que vai acontecer com esse Brasil. Vai pegar fogo. Só sei que quero o Caiado presidente, só isso. Porque ele foi corajoso. Chega. Tem que cair esse JB. É um psicopata”, disse a mulher no áudio enviado ao presidente e ao qual O Globo também teve acesso.

Reação 

Nas redes sociais, seguidores do presidente reagiram com críticas à possibilidade de nomeação de Ludhmilla, citando um vídeo em que a médica aparece numa conversa com a ex-presidente Dilma Rousseff.

A cardiologista também é criticada pela militância  bolsonarista por  defender posicionamentos que são consenso na comunidade científica, como a inexistência de um “tratamento precoce” eficaz contra a covid, além da adoção de medidas de isolamento social.

Saída de Pazuello 

Depois que O Globo divulgou que a demissão do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, estava definida pelo presidente Bolsonaro e que Ludhmila era uma das cotadas para o cargo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) saiu em defesa da cardiologista.

“Coloquei os atributos necessários para o bom desempenho à frente da pandemia: capacidade técnica e de diálogo político com os inúmeros entes federativos e instâncias técnicas. São exatamente as qualidades que enxergo na doutora Ludhmila”, escreveu Lira. 

“Espero e torço para que, caso nomeada ministra da Saúde, consiga desempenhar bem as novas funções. Pelo bem do país e do povo brasileiro, nesta hora de enorme apreensão e gravidade. Como ministra, se confirmada, estarei à inteira disposição”, complementou o presidente da Câmara em outra publicação. 

A possível demissão de Pazuello vem sendo discutida por Bolsonaro desde o início do fim de semana, em meio à pressão de parlamentares do “centrão”.

“Não estou doente” 

Em nota divulgada nesse domingo, o Ministério da Saúde disse que “até o presente momento” Pazuello segue à frente da pasta, “com sua gestão empenhada nas ações de enfrentamento à pandemia”.

Por meio de um assessor, Pazuello afirmou, em rede social, que não está doente, mas que entregaria o cargo “assim que o presidente solicitar”. 

“Não estou doente, não entreguei o meu cargo e o presidente não o pediu, mas o entregarei assim que o presidente solicitar. Sigo como ministro da saúde no combate ao coronavírus e salvando mais vidas”, escreveu o assessor, atribuindo as aspas ao próprio Pazuello.

Ludhmila reage

Ao Painel da Folha de S. Paulo, a cardiologista deixou claro que não tem associação política ou partidária. “Não tenho vínculo partidário. Não sou ligada politicamente a ninguém. Sou médica”, declarou.

Sobre um áudio atribuído a ela, em que supostamente chama Bolsonaro de “psicopata”, ela nega ser autora da ofensa.

“Fizeram montagem. Não tenho esse vocabulário. Não falaria isso nunca de homem nenhum”, completou. 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *