Conecte-se Conosco

Amazonas

Plínio trata ameaça à ZFM como ‘declaração infeliz’

Published

em

Sempre jogando a favor das propostas do Governo Federal no Senado, o senador Plínio Valério (PSDB) disse que a ameaça feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Zona Franca de Manaus (ZFM), na live presidencial transmitida desta quinta-feira (20), foi uma “declaração infeliz” para atingir os senadores Omar Aziz (PSD) e Eduardo Braga (MDB), membros da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid.

Embora esteja sempre alinhado com o Governo Federal nas decisões tomadas no Congresso Nacional, Plínio afirmou que não esperava ter que responder ao ataque feito aos colegas de bancada quando, na transmissão o presidente deu a entender que poderia tomar medidas anti-ZFM por conta do comportamento dos senadores amazonenses nas investigações feitas na CPI, dizendo “senador Aziz, aquele que fala tanto aí na CPI… Senador Eduardo Braga, imagine aí o Estado [do Amazonas] sem a Zona Franca de Manaus”.

“Eu imagino sim, presidente. Nós temos mil opções e haveremos de buscá-las e concretizá-las. Eu só lamento é que o senhor, com uma declaração dessa, ameace [ ZFM]. Eu imagino, sim. Agora eu não imagino é o Brasil, presidente, sem a Amazônia. Não dá para imaginar”, disse o senador tucano.

Superavitária

Plínio Valério lembrou ainda que, desde a época da borracha, o Amazonas concedeu os seus ganhos para sustentar o Brasil, inclusive o Rio de Janeiro, cidade natal do presidente da República, pagando as dívidas externas do país durante aquele período e que, hoje, arrecada mais impostos para a federação do que recebe em troca e que, portanto, “o benefício fiscal da região não é nem um favor”.

“A ZFM é superavitária. Recolhe R$ 14 bilhões e recebemos R$ 6 bilhões, empregamos 184 mil trabalhadores. Portanto, essa sua ameaça (…) Eu nem quero crer que isso seja uma ameaça, presidente, porque não é assim que se deve tratar o Amazonas. Nós merecemos todo o respeito”, rebateu o senador.

Texto: Giovanna Marinho

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *