Conecte-se Conosco

Amazonas

Ex-secretário de Saúde do Amazonas é bola da vez na CPI da covid

Published

em

A próxima sessão da CPI da covid, na terça (15), deve render alto índice de audiência no país, como vem acontecendo com o trabalho dos senadores. Nesse dia vai ser interrogado o ex-secretário de Saúde do Amazonas (SES-AM) Marcellus Campelo.

Como o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), decidiu não comparecer à CPI, amparado por habeas corpus do STF, Campelo deve ser bastante questionado pelos senadores.

Ele não era o titular quando estourou a primeira edição da operação Sangria, da Polícia Federal, em 2020. Essa ação mirou suposta compra superfaturada de respiradores na primeira onda da covid (coronavírus).

Contudo, Campelo era o secretário na tragédia da falta de oxigênio em Manaus, principalmente, no início deste ano. Como há muito disse-me-disse, desmentidos e versões conflitantes quanto às responsabilidades pela crise, a CPI vai buscar esclarecer esse episódio que levou vários amazonenses à morte.

Os principais interessados nas explicações de Campelo são os senadores da base de Bolsonaro na comissão.

Marcos Rogério (DEM-RO), por exemplo, diz que o ex-secretário terá de dar vários esclarecimentos. Como o colapso da saúde no estado no começo deste ano. O senador é um dos autores da convocação de Campelo. O outro é Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Prisão contestada

Além desses pontos, o ex-secretário de Saúde vai ter oportunidade de se defender sobre sua prisão por ordem do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Foi na semana passada, quando a Polícia Federal executou a quarta fase da operação Sangria.

Campelo alegou que o motivo de sua prisão, supostos pagamentos pelo aluguel de prédio particular para instalar hospital de apoio a pacientes da covid, não procede. Segundo ele, o prédio foi requisitado pelo governo, e não alugado. Portanto, não teria havido pagamento. 

Também foi acusado de favorecer empresários na contratação de serviços para funcionamento do hospital. Campelo, igualmente, nega.

Como resultado das investigações, a CPI aprovou a quebra de sigilos telefônico e telemático de Campelo. 

Com informações da Agência Senado

Foto: Divulgação/Secom

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *