Conecte-se Conosco

Política

Recesso dos vereadores de Manaus inicia no próximo dia 16

Published

em

Os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) já começaram os “preparativos” para o recesso parlamentar do meio ano. A última Sessão Plenária do primeiro semestre deste ano será na próxima quarta-feira, 14, com recesso previsto para começar no dia 16 de julho e retorno das sessões em 2 de agosto.

Para que os parlamentares “desfrutem” das férias do meio ano, acontecerá uma reunião de colegiado nesta terça-feira, 6, na qual serão discutidas quais matérias entrarão na ordem do dia e quais são emergenciais. O objetivo é “zerar” a pauta de Projetos de Lei tramitando na Casa Legislativa, ou ao menos, “acelerar” o processo legislativo dentro das Comissões para diminuir possíveis pendências.

O pedido da reunião foi feito por Marcelo Serafim (PSB), líder do prefeito David Almeida (Avante) na CMM, e endossado por Joelson Silva (Patriota), presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) do Parlamento Municipal.

“A reunião de colegiado é algo comum que acontece ao término de cada semestre. Iremos fazer a avaliação das matérias e do que precisa ser acelerado ou não”, explicou Joelson Silva para O Poder, ao reiterar que o pedido partiu do vereador Marcelo Serafim.

Conforme informações apuradas pelo O Poder, o recesso será apenas das Sessões Plenárias com a Casa Legislativa funcionando normalmente.

Polêmica

No dia 17 de maio, um Projeto de Lei que extinguia o recesso parlamentar de 15 dias, propondo uma alteração na Lei Orgânica do Município de Manaus (Loman), causou polêmica na Sessão Plenária. O presidente da Casa Legislativa, David Reis (Avante), manifestou-se contrário à propositura de Rodrigo Guedes (PSC).

“Eu sou da outra corrente que o recesso aproxima os vereadores com suas bases eleitorais. Além disso, é um período imensamente propício para que nós possamos estar muito mais presente nas comunidades”, disse Reis na ocasião.

O movimento contrário de Reis ganhou apoio da maior parte dos vereadores, que retiraram as assinaturas da proposta de Guedes.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *