Conecte-se Conosco

Política

CPI pedirá indiciamento de Pazuello e Wilson Lima pela crise do oxigênio

Published

em

A CPI da covid (coronavírus) no Senado já chegou a uma conclusão sobre a responsabilidade e omissão pela falta de oxigênio no Amazonas e vai pedir o indiciamento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o governador Wilson Lima (PSC). A crise no estado é fato determinado nas investigações do colegiado.

De acordo com o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), ainda constarão na lista dos indiciados o ex-secretário-executivo Elcio Franco, a ex-secretária de Gestão do Trabalho Mayra Pinheiro, conhecida como “Capitã Cloroquina”, e o ex-secretário estadual de Saúde Marcellus Campêlo.

No dia 14 de janeiro, pacientes morreram sufocados em Manaus pela falta de oxigênio na rede hospitalar.

O colapso, considerado a maior tragédia no país durante a pandemia, motivou a abertura da atual CPI no Senado.

“Sobre o Amazonas já tem a conclusão dos personagens que devem constar no relatório final da CPI para serem indiciados, obviamente a CPI tem poderes limitados em relação as autoridades locais”, disse.

O senador Randolfe Rodrigues (foto) fez referência a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que indicou os poderes legislativos nos estados e municípios como responsáveis para apurar responsabilidade de governadores e prefeitos.

Relatório

“Mas eu considero inevitável o relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL) não apontar as responsabilidades locais no caso específico do Amazonas”, assegurou.

Portanto, o vice-presidente do colegiado dá como encerrada as oitivas e diligências envolvendo o estado.

Ele ainda revela que há uma rara unanimidade entre os governistas e o grupo dos senadores de oposição e independentes sobre a responsabilização de Wilson Lima.

“Da bancada governista não em relação aos atores do governo federal, mas em relação ao governo estadual não há dúvidas do conjunta da CPI. Isso é uma rara unanimidade nossa”, revelou.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *