Conecte-se Conosco

Brasil

TCU mostra que Pazuello e ‘Capitã Cloroquina’ mentiram sobre TrateCov

Published

em

O Tribunal de Contas da União (TCU) analisou o aplicativo TrateCov, lançado em Manaus pelo Ministério da Saúde em janeiro deste ano.

O objetivo da novidade anunciada para o país pelo então ministro Eduardo Pazuello e sua secretária Mayra Pinheiro, a “Capitã Cloroquina”, era fazer pelo App o acompanhamento do “tratamento precoce” da covid (coronavírus).

Tratou-se, portanto, de mais uma medida do plano do governo Bolsonaro de fazer de Manaus o grande laboratório da chamada imunidade de rebanho. Ou seja, deixar que todos os moradores se contaminassem para que adquirissem resistência natural à doença.

Dessa maneira, Pazuello e sua secretária, comandando força-tarefa na missão em Manaus, apresentaram o kit covid com vários remédios sem eficácia contra o vírus. Por exemplo, cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, doxiciclina, sulfato de zinco e dexametazona.

De acordo com a perícia técnica do TCU, o TrateCov não foi violado. Nem indício, sequer, foi identificado.

“Não foram identificados indícios de que tenha havido violação do código-fonte do TrateCov”, afirmou o TCU. O relatório foi produzido pela Secretaria de Fiscalização em Tecnologia da Informação.

Mentira na CPI?

Quem disse que o TrateCov sofreu um ataque hacker foi Pazuello e a “Capitã Cloroquina”. Foi durante depoimento na CPI da covid, quando fizeram compromisso público de não mentir.

Eles passaram a alegar ataque hacker depois que o aplicativo foi contestado. Isso por conter medicamentos sem eficácia comprovada.

Chegaram, inclusive, a afirmar que um boletim de ocorrência na polícia e uma perícia interna haviam sido feitos. Tudo para essa invasão. Contudo, esses documentos nunca foram mostrados. Nem ao TCU e muito mentos à CPI.

Foto: Reprodução/Twitter

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *