Conecte-se Conosco

Bastidores da Política

Omar Aziz adverte Bolsonaro: “Não terá golpe na democracia”

Para o presidente da CPI, Bolsonaro está evidenciando toda a fraqueza de um presidente acuado pelas investigações de corrupção

Published

em

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), posicionou-se contra Bolsonaro pela exibição de tanques da Marinha na Esplanada dos Ministérios nesta terça-feira (10), mesmo dia que Câmara dos Deputados apreciará a PEC do voto impresso.

Por meio de uma nota lida na sessão da comissão, Aziz disse que o presidente não tem direito de usar a máquina pública para ameaçar a próprio democracia que o elegeu.

“Não haverá voto impresso, não haverá nenhum tipo de golpe contra nossa democracia, as instituições, como o Congresso à frente, não deixarão que isso aconteça”, disse.

O senador afirmou que a democracia tem instrumentos para defender a própria democracia contra arroubos golpistas.

“Agressões à Constituição não são legítimas. Defender golpe não é aceitável. E defender o fim da democracia precisa ser punido com o rigor da lei. Nós, os democratas, estamos aqui a postos para defender a democracia e nosso país com os instrumentos que a Constituição nos confere”, advertiu.

Para ele, Bolsonaro está evidenciando toda a fraqueza de um presidente acuado pelas investigações de corrupção.

“Cria uma encenação, uma coreografia para mostrar que tem o apoio das Forças Armadas e pode fazer o que quiser. É um absurdo inaceitável. Não é um teatro sem consequências, mas um ataque frontal à democracia que precisa ser repudiado”, protestou.

Tentativa de intimidação

De acordo com o presidente da CPI, Bolsonaro comanda um lamentável desfile de blindados, em uma clara tentativa de intimidar parlamentares e opositores.

“O papel das Forças Armadas é defender a democracia, não ameaçá-la. Desfiles como esse serviriam para mostrar força para conter inimigos externos que ameaçassem nossa soberania, o que não é o caso”, lembrou.
Omar destacou que, em apenas dois anos e meio, Bolsonaro colocou o país numa posição vexatória, degradou as instituições e rebaixou as Forças Armadas.

“Todo o homem público, além de cumprir seus deveres constitucionais, deveria ter medo do ridículo. Mas Bolsonaro não liga para nenhum desses limites, como fica claro nessa cena patética de hoje, que mostra apenas a ameaça de um fraco que sabe que perdeu.”

Foto: Pedro França/Agência Senado

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *