Conecte-se Conosco

Política

Bolsonaro não desiste e promete novidade sobre tratamento precoce

Bolsonaro voltou a defender medicamentos que comprovadamente não são eficazes para a Covid-19

Published

em

Mesmo reclamando das críticas que recebe devido a sua postura negacionista com relação a vacinas, o presidente Jair Bolsonaro manteve o discurso crítico aos imunizantes e voltou a defender o tratamento precoce, prometendo inclusive uma “notícia bomba” a favor dos medicamentos aos quais eles fez propaganda durante toda a pandemia. “Está sendo ultimado um estudo aqui com a gente”, disse. “Centenas de milhares de pessoas poderiam estar vivas se tivessem feito tratamento precoce”, afirmou, apesar de estudos já terem comprovado a ineficácia dos medicamentos defendidos pelo presidente contra a covid-19.

Além de defender o tratamento precoce, Bolsonaro voltou a falar contra a adoção de “passaportes da vacinação”, que em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo têm mantido pessoas que se recusam a tomar a vacina contra covid-19 longe de determinados eventos e espaços públicos. “As pessoas que contraem o vírus têm uma vacina natural”, insistiu o presidente, alegando que, mesmo não tendo tomado o imunizante, tem alta proteção contra o vírus.

“Por que vou tomar a vacina para conseguir uma quantidade de anticorpos menor? Por que essa obsessão?”, declarou, em entrevista à Rádio Novas de Paz. Segundo autoridades de Saúde, porém, mesmo quem já teve covid deve ser imunizado contra a doença.

Bolsonaro reforçou o discurso ao contar que, em ida aos Estados Unidos para participar da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, foram contaminados com o vírus, mesmo já tendo sido vacinados. “Quando começa a discutir vacina, virou crime. Vem logo te acusando de negacionista, terraplanista”, acusa.

O presidente também declarou que, durante sua reunião com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, no Estados Unidos, ele chegou a apostar com o britânico uma caixa de uísque que teria mais anticorpos contra a doença do que o premiê, que tomou as duas doses da vacina da AstraZeneca.

A aposta teria surgido porque entre os temas abordados na reunião com o britânico estava uma facilitação da importação de uísque para o Brasil. O presidente adiantou que apesar do pedido do primeiro-ministro, o tema não está entre as prioridades dele. “Com todo respeito a Boris Johnson, não é prioridade facilitar importação de uísque”.

Bolsonaro também voltou a criticar a vacina da Coronavac, que virou o símbolo do embate político contra o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O presidente voltou a alegar que a Coronavac estava sendo vendida por US$ 10 ao Ministério da Saúde. No entanto, a Sinovac, que faz parceria na produção do imunizante com o Butantan, ofereceu por US$ 5. “O preço caiu ou era superfaturado pelo Butantan?”, questionou. Segundo o chefe do Executivo, a temática já está sendo investigada pelo governo.

“A vacina é importante? Para muita gente é. Mas respeito quem não quer tomar. Várias vacinas não tem comprovação científica”, disse.

Para o presidente, é preciso que o País saiba viver com o vírus, pois ele “veio para ficar”. “O Brasil tem que voltar à normalidade para todos nós sonhamos com dias melhores”, disse. Bolsonaro reconheceu a difícil situação econômica do País, mas disse que é preciso que as críticas tenham fundamento. “Deus me colocou aqui, só ele me tira daqui”, declarou, repetindo frase diversa vezes usada.

Matéria completa em Notícias ao Minuto

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *